Tá Pensando o Quê?

Mês: maio, 2005

DA SÉRIE: SÓ PRA CONTROLE

Eu sou amiga da Kritz há uns três anos e estou aqui para dizer que a verdade é que ela está de saco cheio de blogs, mas como ela acha clichê escrever que está de saco cheio do blogs, resolveu sumir e pronto.
Na verdade ela está muuuuuuuuito de bem com a vida, ocupadíssima com coisas bem mais importantes que este blog. E não, eu não estou falando da UnB…
É que ela arrumou um namorado. Não, não é namoradinho, não, é namorado mesmo. Coisa oficial, cinema, viagenzinha de lua de mel. É um grude só a conversa dos dois no MSN… Amor pra lá, Xuxu pra cá. Chega a dar sono. Mas um namorado que corta cebolas, toma vodka pura – na garrafa – e segura o cabelo dela enquanto ela vomita – e tem muito orgulho disso – merece respeito!
Ele é um namorado nota dez, embora ela ainda não conheça os cachorros do Digníssimo. Mas podem ficar felizes por ela!
Ela realmente está acordando cedo para ir à academia! O que o amor não faz com as pessoas, hein?! Viva o namorado que obriga a Kritz a ir malhar de madrugada, no frio, de ressaca e com remela no olho… \o/
Ah, ela quase perdeu o emprego um dia desses porque armou um barraco (alto nível, claro, porque ela é chique, vocês sabem…) com quem não devia no ambiente de trabalho, mas não pareceu estar muito preocupada, não. Foi engraçado!

É, acho que é isso.

Por Marina Rebuá

PING-PONG

REGRA MASCULINA*: Peitos e bundas existem para serem olhados, e é por isso que olhamos. Não tentem mudar isso.
REGRA FEMININA: Bundas e peitorais de homens charmosos também existem para ser olhados. Mas a gente consegue olhar e comentar sem dar tanta bandeira, tolinhos!

REGRA MASCULINA: Aprendam a manejar o assento da privada. Vocês já são bastante crescidinhas pra isso. Vocês são grandes garotas. Se ele está levantado, abaixem-no. Nós precisamos dele levantado, vocês precisam dele abaixado. Vocês não nos ouvem reclamar quando vocês deixam o assento abaixado.
REGRA FEMININA: Aprendam a manejar seus respectivos bilaus e todos seremos felizes. Simples assim.

REGRA MASCULINA: Sábado = futebol. É como a lua cheia ou a mudança das marés. Não se muda isto.
REGRA FEMININA: Sábado = sexo animal. Você estando em casa ou não.

REGRA MASCULINA: Fazer compras NÃO é um esporte. E não adianta, nós nunca vamos pensar do outro jeito.
REGRA FEMININA: Não queremos que vocês nos acompanhem. Só paguem a conta sem reclamar.

REGRA MASCULINA: Choro é chantagem.
REGRA FEMININA: Pratos e copos voando em sua direção, não.

REGRA MASCULINA: Peçam o que vocês querem. Vamos deixar isso bem claro:
Dicas sutis não funcionam! Dicas grosseiras não funcionam! Dicas óbvias não funcionam! APENAS PEÇAM O QUE QUEREM!
REGRA FEMININA: E se mesmo assim vocês não entenderem, devemos desenhar ou fazer mímica?

REGRA MASCULINA: Dor de cabeça que já dura mais de 17 meses é um problema. Consultem seu médico!
REGRA FEMININA: Reunião de trabalho toda sexta feira depois do expediente, nos últimos 17 meses, é o quê?

REGRA MASCULINA: Tudo aquilo que nós dissemos há 6 meses não será admitido como argumento. Aliás, todos nossos comentários se tornam nulos e sem efeito após 7 dias.
REGRA FEMININA: Não duvidem, vamos nos aproveitar disso e dizer que vocês disseram coisas que não disseram, já que vocês nunca se lembram do que disseram, mesmo.

REGRA MASCULINA: Se vocês acham que estão gordas, provavelmente estão mesmo. Não perguntem isso pra nós.
REGRA FEMININA: Se vocês acham que estão magros e sarados não perguntem pra gente. Uma gargalhada bem irônica pode soar como uma resposta indelicada.

REGRA MASCULINA: Pedro Álvares Cabral não precisou de orientações. Nós também não precisamos.
REGRA FEMININA: A mulher de Pedro Álvares Cabral não ficava pronta em 20 minutos. Nós também não ficamos.

REGRA MASCULINA: TODOS os homens enxergam em 16 cores, como o padrão do Windows. Pêssego, por exemplo, é uma fruta e não uma cor. Abóbora também pertence ao reino vegetal. Nós não temos idéia do que é fúcsia.
REGRA FEMININA: Não somos obrigadas a sair com gente que faz combinações esdrúxulas de cores, achando que verde é marrom e azul é cinza. Pelo menos finjam que têm senso do ridículo.

REGRA MASCULINA: Se perguntarmos se algo está errado e vocês responderem ‘não’, nós vamos agir como se nada estivesse errado. Nós sabemos que é mentira, mas não vale a pena discutir por isso.
REGRA FEMININA: Se vocês quiserem sexo pra fazer as pazes nós vamos responder ‘não’ e agir como se não tivesse nada errado. Vocês vão dizer ‘tudo bem’ e nós saberemos que é mentira, mas não vale a pena discutir por isso.

REGRA MASCULINA: Se vocês fazem uma pergunta e não querem ouvir a resposta, estejam preparadas para ouvir o que não querem.
REGRA FEMININA: Vocês ao responderem, estejam preparados pra ouvir o que não querem também. E pra dormirem no sofá.

REGRA MASCULINA: Quando temos que ir a algum lugar, qualquer coisa que estejam vestindo estará ok. De verdade.
REGRA FEMININA: Calças justas em cima do umbigo não estão ok. Camisas xadrez não estão ok. Jaquetas de corino vagabundo não estão ok. Furo no sovaco da camiseta não está ok. Meias esticadas até o joelho, bermuda e tênis não estão ok. Cuecas velhas não estão ok. De verdade.

REGRA MASCULINA: Vocês têm roupas suficientes.
REGRA FEMININA: Vocês não.

REGRA MASCULINA: Vocês tem sapatos demais.
REGRA FEMININA: Vocês têm sapatos de menos.

REGRA MASCULINA: Eu estou em forma. Redondo é uma forma.
REGRA FEMININA: Forma daquelas que a gente chuta, se é que você me entende.

REGRA MASCULINA:
‘Sim’ e ‘Não’ são respostas perfeitamente aceitáveis para a maioria das perguntas.
REGRA FEMININA: Aprendam o significado de um ‘talvez’ e saibam que, dependendo de cada contexto, isso poderá significar ‘sim’ ou ‘não’. Parece complicado. E é mesmo.

REGRA MASCULINA: Tragam-nos um problema se querem ajuda para solucioná-lo. É o que nós fazemos. Para solidariedade, existem as amigas.
REGRA FEMININA: Pelo menos olhem pras nossas caras enquanto tivermos falando, mesmo que estejam tentando se lembrar do que comeram no almoço. E estejam preparados pra responder eventuais perguntas que possamos fazer durante a conversa. ‘Eu te entendo’, ‘eu concordo’, ‘você tem razão’ costumam funcionar.

*Um ‘obrigado’ bem grandão ao Jânio, que me mandou as regras masculinas por email e me sugeriu a réplica.

DEPOIS DA TPM VEM A BONANÇA

A TPM, todos sabem, é frescura de mulher. É a desculpa que mulher usa pra te tratar com a mesma sutileza de um elefante numa loja de cristais. Não só você, mas o pai, o irmão e o cobrador de ônibus.
Sem falar na choradeira, ai meu Deus, que pé no saco! Choram quando assistem comercial de sabão em pó porque, enfim, a mulher do comercial tem a roupa mais branca que a dela e mesmo de branco parece magérrima, enquanto 70% do armário dela é preto, marrom e cinza escuro e folgado, pra que ela pareça mais magra.
Choram também nos comerciais de cerveja. Porque mesmo tomando toda a cerveja necessária pra gravar um comercial daqueles, as mulheres gostosas continuam gostosas enquanto ela não consegue entrar na calça 46, por causa da retenção liquida.
Choram nos comerciais de margarina porque a família do comercial de margarina é feliz, o marido do comercial de margarina é bem humorado e ainda levanta mais cedo pra preparar o café, enquanto ela está deprimida e tem um namorado que não se lembra do aniversário de namoro, do aniversário do primeiro beijo, no aniversário da primeira briga e não ligou na última meia hora. Isso quando ela não tenta se matar porque não tem um namorado.
Mas a choradeira vem sem dó mesmo quando, em vez de você chamá-la de ‘meu amor’, você chama de ‘meu bem’. Entenda: na cabeça tepeêmica de uma fêmea, amar é mais do que querer bem e se você não chamou de ‘amor’ você não ama mais porque, enfim, ela está inchada e cheia de espinhas e seres rechonchudos e espinhentos não merecem, mesmo, serem amadas.
Ela implora atenção e se você dá, leva um coice, se não dá, é insensível. Nem todo o chocolate da via Láctea é suficiente para produzir a quantidade necessária de todos os hormônios que ela precise pra não ser enjaulada.
Ela fica com aquela cara de quem tomou sorvete sabor jiló durante dias e dias, sem nenhum motivo aparente. Se você pergunta se há algo errado, a resposta é um ‘não’ que mais parece uma leoa urrando. Se você pergunta ‘tem certeza?’ a reposta é um ‘sim’ cínico. Quando o silêncio paira na sala de estar e você resolve voltar a assistir o jogo ou trocar a lâmpada, ela resolve discutir a relação, falando de um jeito complexo e enigmático. Você então pergunta, do jeito mais confuso que consegue, se foi algo que você talvez tenha dito, feito, pensado ou vestido que pode talvez, quem sabe, tê-la atingido em níveis diretos ou indiretos e que pode estar influenciando para que ela esteja com aquela cara de quem comeu e não gostou e, aí sim, a choradeira vem com tudo. Ou a gritaria e os pratos voando na sua direção, depende do nível da coisa.
Alguém já disse por aí que uma criatura que sangra cinco dias e não morre não merece confiança.
Podia ao menos sangrar sem tanto estardalhaço, já seria alguma coisa!

RADOUKEN!

Eu to tão triste e com uma cara tão arrasada q se a vida fosse um Street Fighter eu diria que tomei um meia-lua-soco no meio da fuça.
E isso não é figurativo.

QUERIDO DEUS TODO PODEROSO, SALVE, SALVE!

Não posso deixar de agradecer o galhão que Você me quebrou lá na Unb e não me deixou rodar e tal, foi massa da Tua parte. Gelei a valer, mó estresse, deu até coceira em mim de tanto nervoso que eu passei, cruz credo!
Mas agora tá de boa. Eu não tomei vergonha na cara do tanto que deveria, mas bateu um certo remorso e tô tentando me esforçar.
Tomei cinco multas só esse ano e sobre isso precisamos conversar sério: por mais que Você seja meu brother não posso chegar no agente do Detran e dizer que ele não pode me multar porque Deus é meu amigo. Da mesma maneira que não posso colocar o carro no bolso e vir trabalhar. Eu poderia, sim, não estacionar em local proibido, mas pra isso eu preciso acordar na hora e, nisso sim, eu creio que Você possa me dar uma força. Anote aí pra gente negociar.
No trampo eu tomei jeito, funcionária nota 10 eu tenho sido, mas ainda uso MSN durante o expediente. Não atrapalha, eu juro, fica tudo sob controle e o meu trabalho é prioridade. O meu chefe é daqueles que perde o amigo mas não perde a piada e além disso nunca é preciso mentir pra ele.
Meu pai quase morreu de uma síncope nervosa que acometeu o coitado quando acordou e deu de cara com a namorada do meu irmão tomando café com a gente na cozinha. Ai, ai… Ficou chocado quando soube que ela tinha, sim, dormido lá em casa, no quarto do meu irmão, sim, senhor, com porta fechada e direito a pá e bola. Meu pai é bem atrasado pra algumas coisas, mesmo. E ainda fala ‘pra mim fazer’, ‘pra mim ouvir’, ‘pra mim fechar’. Mas é meu pai e, pai, Tu tá ligado, a gente não escolhe.
Falando nisso, ele resolveu construir outra casa lá no nosso terreno. Fez furo no chão pra fundação da casa e minou ááááágua que só, tinha um lençol freático ou coisa dessas, uma lameira! Eu disse pra ele aproveitar o aguaceiro e fazer a piscina logo, ou fazer a casa do tipo palafita, mas não teve negociação. Anda muito durão mesmo, meu super-pai.
Aprendi uns ‘golpes novos’ com meus malabares e tenho conhecido pessoas do mesmo planeta que eu. Além disso, não gripei esse ano ainda porque, convenhamos, pessoas felizes não gripam fácil. E como uma pessoa que tem uma almofada de joaninha chamada Tereza poderia não estar feliz? Impossível, concordo.
Parar de beber não deu. Diminuir também não. Mas isso é culpa Sua, falando numa boa, porque eu estava levando uma vidinha bem mais ou menos, cheia de interrogações e coisas que não combinam com o tom da minha pele e, de repente, Tu tocou o terror no meu destino, no meu reveillon (aliás, eu tenho que agradecer por isso, também!), no meu aniversário e etc e tal, me arrumando um cara que, além de conversar sobre Teoria do Caos, arco-íris e todas as outras coisas doidas que se passam pela minha cabeça, tem cachorros anti-sociais, gosta de chocolate com castanha do pará, não come sushi, tem um balde no lugar do fígado e mais bebe do que respira. (ok, exagero, ele respira e bebe na mesma proporção.)
E pra acabar de completar, essa conversinha fiada de pedra no rim.
Poxa, Deus, Você tem idéia de quanto tempo uma pessoa com pedra no rim fica sem fazer sexo e outras coisas legais que a gente faz? E a saudade e tudo mais? E eu sem poder pisar naquela casa? Tem idéia da tragédia?
Humpf!

Sem mais para o momento,
Amém.

ACADEMIAS DEPRIMEM QUALQUER CRIATURA

Finalmente eu me matriculei na academia. Bem no mês que paguei três multas, IPVA e cartão de crédito na bagatela de $750,00.
Isso quer dizer que bem no mês em que meu salário não vai dar pra pagar contas, eu paguei a academia com um cheque que, eu espero do fundo do coração, não volte.
Mas essa sem dúvida, não é a pior parte.
A pior parte é poder constatar, mais uma vez, que academia não é lugar pra gente rechonchuda que nem eu. Sou rechonchuda mesmo, tô mais pra Preta Gil do que Giselle Buntchen e pra ser magrela, meu filho, só nascendo de novo, e na Somália.
Pois bem: depois de 2 anos bebendo todos os dias do fim de semana, dormindo que só e usando o carro pra ir até no banheiro, eu me vi ali, em cima de uma bicicleta ergométrica, suando que nem tampa de panela, fazendo uma aula de spinning panque-roque-total com um professor saradão que quer que todos nós, alunos das 6:30 da manhã (juuuuuuuuro!) estejamos prontos pra correr na São Silvestre do final do ano. Tentei negociar e ele disse que estende o prazo pra, no máximo, a Volta da Panpulha do ano que vem.
Ok. Eu não sei se você entende, mas academias costumam ser freqüentadas, nesse horário super-ultra-matutino que eu escolhi pra fazer exercícios físicos e ficar em forma, pela terceira idade com qualidade de vida nota dez, aqueles coroas saradões e aquelas senhoras enxutas que gastam com plástica, botox e roupa de academia rosa pink quantias que eu, talvez, só gastasse com um carro roxo com ar condicionado e olha lá.
Isso deprime qualquer criatura! Porque as respeitáveis senhoras estão lá, azarando os garotões e fazendo todas as 752 fuckin aulas que gastam milhõõõões de calorias e saem inteiras e lindas, com o aplique de megahair no lugar, com a maquiagem definitiva no lugar, com o silicone no lugar, enquanto eu fico parecendo uma gelatina descongelada pulando naqueles jumps malditos e quase morro com 20 min em cima de uma bicicletinha mequetrefe.
Além disso, os professores olham feio pra quem come pão de queijo da lanchonete ou masca chiclete que não seja diet e fazem terrorismo dizendo que quem não malha não tem direito a usar biquíni de lacinho (eu, mesmo nesse meu tamanho todo, só tenho biquíni de lacinho, só pra controle!)
Tento não me descabelar porque, afinal, vou passar minhas férias na Argentina num frio de menos três graus, o que me leva a crer que não há chance de usar biquíni de lacinho enquanto esquio em Bariloche. (Porque, sim, eu sou gordinha mas tenho classe!) Mas ele responde com aquela voz macabra de eco de caverna que, mais cedo ou mais tarde eu vou voltar e querer ir pro Reveillon em Pipa. Então eu baixo a cabeça e saio desenchavida.
Ou eu adoto atitudes bulímicas temporárias com urgência ou vou acabar não aguentando e me suicidando.
Esmagada no ‘leg press’.

O AMOR É OUTRA COISA*

O amor não é algo que te faz sair do chão e te transporta para lugares nunca antes visitados.
O nome disso é avião. O amor é outra coisa.
O amor não é uma coisa que você esconde dentro de você e não mostra pra ninguém.
Isso se chama vibrador tailandês de três velocidades. O amor é outra coisa.
O amor não é uma coisa que te faz perder a respiração e a fala.
O nome disso é bronquite asmática. O amor é outra coisa.
O amor não é uma coisa que chega de repente e te transforma em refém.
Isso se chama seqüestrador. O amor é outra coisa.
O amor não é uma coisa que voa alto no céu e deixa sua marca por onde passa.
Isso se chama pombo com caganeira. O amor é outra coisa.
O amor não é uma coisa que você pode prender ou botar pra fora de casa quando bem entender.
Isso se chama cachorro. O amor é outra coisa.
O amor não é uma coisa que lançou uma luz sobre você, te levou pra ver estrelas e te trouxe de volta com algo dele dentro de você.
Isso se chama alienígena. O amor é outra coisa.
O amor não é uma coisa que desapareceu e que, se encontrado, poderia mudar o que está ali, diante dos seus olhos.
Isso se chama controle remoto de TV. O amor é oooooooutra coisa…

*coisas de César.

DA SÉRIE: O ORKUT DESGRAÇA A VIDA DE UMA PESSOA

O orkut é coisa do demo. Você reencontra pessoas e manda scraps simpáticos, até aí tudo bem.
Ri das comunidades e fica disputando com seus friends quem tem mais friends. Até aí tudo bem.
Fuça a vida dos ex-peguetes, ex-casos, ex-ficantes, ex-namorados. E fuça também a vida das ex-peguetes, ex-casos, ex-ficantes e ex-namorados deles também. Até aí tudo bem.
Mas você realmente arruma dor de cabeça quando seu ex-namorado resolver fuçar na vida da ex-namorada do seu atual namoradinho.
Pode parecer engraçado, mas isso soa como uma unha da falta do que fazer sendo arrastada no quadro negro da minha existência.
E há poucas coisas que podemos escolher na vida. Deixar ou não a vida completamente exposta pra ser dilacerada por psicóticos maníacos depressivos é uma delas.
Na minha vida isso não vai (mais) acontecer.
Então tome cuidado comigo, cara pálida.
Porque quem não tem orkut não merece confiança.

%d blogueiros gostam disto: