Tá Pensando o Quê?

Mês: julho, 2005

NÃO ENCHE O SACO QUE EU TÔ DE FÉRIAS!

É, eu estou de férias. Não que eu tenha esquecido de falar, preferi ficar quieta mesmo, porque vocês sabem, inveja faz mal pra quem é invejado.
Eu fiz vários planos e esquemas e organogramas de prioridades a serem tratadas antes que os 15 dias se passassem voando.
Entre elas estava trocar o óleo do carro, visitar alguns amigos, comprar um tênis, uma calça jeans e um perfume novos, ir pra academia, tomar sol (e fazer a minha parte planta ficar feliz, realizando a fotossíntese) trocar de celular, cortar o cabelo, arrumar o armário e me livrar da papelada velha e inútil da Unb.
Até agora eu fui pra academia e tomei sol. Um dia. Nos outros eu dormi. E dormir, convenhamos, está no topo das prioridades.
As aulas da Unb começam dia 08 e a volta ao trabalho está marcada para o mesmo dia. Este há de ser o meu 12º e último semestre na Faculdade. Terei aula às segundas-feiras, oito da madrugada. E nem me venha com essa de reprovar por falta, porque eu não posso meeeeeeesmo.
Na minha formatura, já sabe: Quero muito balão roxo e apitos. Se alguém conseguir entrar com um berrante na bolsa, eu vou ficar feliz.
E na hora que o Mestre de Cerimônia chamar o nome da minha dileta pessoa e eu, indo ao encontro do paraninfo, cair de joelho naquele carpete vermelho, se alguém ousar dar uma risadinha de canto de boca que seja, eu coloco minhas lições de muai tai em prática e parto a cara do energúmeno.

Anúncios

DÚVIDA EXISTENCIAL

Depois de vários livros que escrevi sobre como fingir não ser neurótica paranóica mesmo quando se é uma psicopata descontrolada e depois de viajar muito pelo Brasil dando minhas palestras, eu resolvi, num golpe de susto, sair do orkut.
Hoje em dia, que tomo meus florais regularmente e penso que Pseudo está ocupado demais criando intrigas com outras pessoas e que se esqueceu da minha dileta pessoa (sem contar, é claro, que uso senha de amigas pra fuçar tudo por lá), confesso que estou com saudades…
Tem uma comunidade só de kriscias, veja só que coisa legal! E Primeiro Namorado está lá, quero poder rir das comunidades dele…
E então, eu volto ou não pro orkut?

VOLTEI!

É, eu saí de recesso.
Na verdade eu pensei em nunca mais escrever em lugar nenhum que pudesse ser visto por qualquer pessoa na via Láctea além de mim mesma. Mas depois pensei que de tanto usar (só, somente só) o word pra escrever o que quer que seja, a minha letra não andava lá muito bonita.
Tem o fato de eu ser absolutamente viciada em atualizar blog e ler alheios, além de ser viciada em ler os emails de vocês, caros-leitores-fofudos-guti-guti-da-titia.
Mas o que me fez voltar de verdade foi fato de que aqui em casa do tecladinho não tocava.
E, falando honestamente, todo mundo já tava aprendendo a tocar de let it be a sweet child of mine no tecladinho e eu não ouvi nenhum ting ling sequer.
Então eu voltei, porque fiquei com inveja e não ia deixar ninguém ficar se divertindo com o tecladinho enquanto eu não conseguia fazê-lo funcionar.
E foi isso.

NO MÊS DE JULHO DO ANO DA GRAÇA DE MIL NOVECENTOS E EU ERA VIRGEM

Eu ia casar virgem, sabe? De verdade, e isso em nada tinha a ver com religião.
Na verdade era até um pouco hipócrita, porque eu só era virgem mesmo, porque de pura e casta, meu filho, não tinha mais nada.
E aí um dia eu acordei e mudei de idéia. E fui bater lá na casa do cara.
Claro que não cheguei lá e disse “bom dia, vou dar pra você hoje” porque naquela época eu não era tão direta e cara de pau quanto sou hoje, mas foi pra isso que fui lá.
Talvez eu estivesse com medo de o mundo acabar no bug do milênio e eu morrer assim, intacta, virgem, cabaça.
Ele tinha roubado um preservativo aroma morango (argh!) do supermercado no dia anterior, porque o coitado também devia estar cansado de tanto lenga-lenga, mas não quis parecer abusado e comprar logo um pacote inteiro. Ou talvez não tivesse grana. Ou talvez não quisesse me pressionar. Ou então estava planejando de me pegar de jeito qualquer dia e sabia que eu gostava de morango.
Tá, eu gosto, mas não pra camisinhas. Enfim, divago.
Sei que eu dei na escada do prédio dele, em pleno meio dia! Foi totalmente sui generis, engraçado, bonitinho, legal, foi bem fofo.
Não, não teve vela, nem vinho, nem cama macia e doeu que só. Doeu na terceira vez, porque nas duas primeiras o cara broxou.

ABRE PARÊNTESE
Os caras sempre broxam comigo, isso é uma coisa engraçada, estranha, sei lá, eu fico puta, fico brava, me irrita, não consigo ser compreensiva com certas coisas. Eu na verdade não consigo ser compreensiva com nada, falando honestamente. Eu logo fico indignada e quero ir embora. No fundo eu fico mesmo é com vontade de perguntar porque foi que o cara tentou tirar minha roupa se no final não ia dar conta, mas que merda!
Enfim, sou tosca.
FECHA PARÊNTESE

Naquele dia eu não fui tosca porque pra mim tudo era muito estranho e novo e a expectativa era grande pra mim. Ouso dizer que se eu tivesse um bilau ele teria murchado também. Além do que aquele cheiro de morango tava me enjoando deveras. E se apoiar nos degraus de uma escada, se você nunca viveu coisa assim, confie em mim, não é assim o que se possa chamar de supra sumo do conforto.
O legal da primeira vez (era a minha e a dele também) é que você não sabe quando acabou. Mas eu fiquei me sentindo a garota mais amada, mais querida, mais protegida, mais importante do mundo, mesmo tendo celulite, uns quilos a mais e não tendo a menor experiência em nada daquilo.
A sensação que eu sentia de que ele também não sabia o quefazer com as mãos me deu muita segurança e a gente riu. Riu, riu muito.
E se abraçou e jurou amor eterno. E a gente ia noivar quando o segundo grau acabasse e a nossa aliança de compromisso era a mais legal de todas que a gente tinha visto, porque tinha sido feita à mão por um hippie amigo nosso e todo mundo sempre ficava com inveja, porque ela era mesmo muito linda, muito diferente e tinha custado várias das nossas mesadas de adolescentes apaixonados.

E lá se vão seis anos.

TÔ DOENTE!

DA SÉRIE: SÓ PRA CONTROLE

Como ninguém sabe, eu fui tatu o suficiente pra apagar um trabalho da faculdade inteiriiiiinho, que levei três dias pra fazer.
Detalhe que eu fiz isso faltando exatos 40 min pra entregar o trabalho. Refiz tudo que nem minha cara, mal e porcamente, enquanto enxugava as lágrimas de desespero, raiva, fome, etc e tal.
E não foi que passei na matéria?

É por isso que não consigo levar a Unb a sério, gente, tá vendo?

INVEJA

Em Sr e Sra Smith tem o Brad Pitt, algumas explosões, o Brad Pitt sem camisa, armas pequenas e basucas grandes, o Brad Pitt de cuecas, uma casa bem decorada que fica em frangalhos depois de uma quase guerra civil, o Brad Pitt no meio do deserto, esconderijos interessantes pra armas escalafobéticas, o Brad Pitt de terno e gravata, um casal em crise, o Brad Pitt de cabelo raspado que tá crescendo, um terapeuta com perguntas meio óbvias, o Brad Pitt indescritivelmente lindo…

Ah! Tem uma mulé beiçuda e de perna fina lá também, mas ela não chega a estragar as cenas, não.

SEGUNDA-FEIRA, 11 DE JULHO

Segundas-feiras que começam com você tendo pesadelos com seu ex que te fazem acordar chorando são muito chatas.
Segundas-feiras em que você não consegue ir trabalhar na parte da manhã porque a gasolina do seu corsa porpurinado acaba na garagem são muito chatas.
Segundas-feiras em que o carro do Irmão tá na garagem há dias justamente porque está sem gasolina são muito chatas.
Segundas-feiras em que você pede socorro pra toda a via Láctea e ninguém te ajuda são muito chatas.
Segundas-feiras em que você não consegue chegar no trabalho pra festa surpresa da sua chefe-querida-aniversariante são muito chatas.
Segundas-feiras em que você coloca Elba Ramalho pra tocar no repeat e fica toda tristinha, murchinha e deprezinha e que me fazem desligar o rádio pra não chorar são muito chatas.
Segundas-feiras em que você constata coisas que não queria constatar nunca na vida são muito chatas.
Segundas-feiras em que você se sente uma ameba incompetente são muito chatas.
Segundas-feiras em que você está muito chata são muito chatas.

JOANA

A Joana é o Anjo da Guarda lá de casa. Ela é baixinha, gordinha, peituda e piauiense.
Não, né empregada não. Nem secretária do lar, que esse negócio de “secretária do lar” é brega demais. Assim como as rádios que ela obriga a gente a ouvir nas sextas-feiras da faxina.
Ela é Anjo da Guarda mesmo. Daquelas que lava meus sutiãs na mão, porque sabe que eu cuido deles com carinho.
Claro, de vez em quando meu pai compra mudas de plantas pro pomar lá de casa e tem que esconder. Porque ela tem mania de ser proativa e sair plantando tudo nos lugares mais inóspitos. Mas o pior nem é isso: o terrível é que ela cava um buraco de 20 cm de profundidade com uma colher de sopa e, obviamente, a muda morre. E meu pai quase morre também.
Logo que mudamos pra casa nova ela esperou por semanas pra ver se a gente penduraria os quadros. Como não penduramos, adivinha quem pendurou?
Pois é, a Joana!
Só que a Joana é meio tosca, às vezes. Primeiro porque quis martelar parafusos (e não pregos) na parede.
Mas você acha que a cagada estava completa?
Que nada, Joana sempre se supera!
Escolheu pregos daqueles bem robustos que mais pareciam tubos de pvc, meu filho.
E hoje temos quadros e espelhos estrategicamente pendurados pela casa toda, pra esconder as rachaduras na pintura que a Joana fez.
Ai, ai, a Joana…
No suposto dia em que meu irmão perdeu a virgindade (e a então namoradinha dele também) o lençol ficou sujo de sangue e a Joana ficou toda preocupada.
“Sabia-se lá se Irmão estava usando camisinha, etc e tal”, essas coisas com as quais Anjos da Guarda se preocupam.
Quando eu resolvo fazer dieta ela sempre prepara aquela comida especial e sem gosto pra mim.
E quando eu vou viajar ela lava minhas roupas de veraneio e fica ansiosa pela lembrança que vou trazer pra ela.
E sempre faz aquele bolo de chocolate que, quem já comeu sabe, SÓ a Joana faz. E embrulha tudinho em papel alumínio e eu fico famosa no baú como a-menina-do-melhor-bolo-de-chocolate-que-já-provei-na-vida.
E ela fica brava quando levo alguém pra almoçar em casa e não aviso. Mas se eu aviso ela sempre fala pra visita: “Kríscia nunca me avisa quando vai trazer gente, por isso a comida está simplezinha”.
Mas claro, como a Joana é a JOANA, ela sempre apronta as dela. E tempera com a minha erva de alfazema, para banho, a macarronada do domingo.
E quando resolve arrumar meu quarto, eu passo dias perdida naquele ambiente arrumado demais pro meu gosto.
Ela sempre briga quando eu engordo e não me deixa tomar o sol do meio-dia.
Sempre dá palpites a respeito dos namorados que eu arrumo e conta pro meu pai se eu levo algum lá em casa, quando ele não está.
Mas pra minha mãe, não, porque a Joana acha que gente jovem tem que curtir mesmo e que mães enchem muito o saco.
Joana sabia quando eu fumava maconha. E sempre que achava baseados nas minhas coisas, jogava na privada e dava descarga. E deixava um bilhete no mural de fotos avisando, pra eu tomar vergonha na cara.
Joana borda toalhas pra mim de Natal e chorou no dia que eu mostrei meu diploma de conclusão do Ensino Médio pra ela.
Joana me conta segredos e sabe muitas piadas de sacanagem.
Ela engravidou quando tinha 22 anos, lá no interior do Piauí e ficou longe dos filhos por muito tempo, pra poder trabalhar e dar a eles o que comer.
Joana é mulher guerreira e tem problema de coluna por causa dos peitão, mas só vai no hospital quando a gente obriga.
Ela sempre fazia chá de canela pra mim, quando eu achava que tava grávida. E quando a minha menstruação vinha, ela ficava com aquela cara de quem não sabia se estava feliz ou triste por eu não ter um bebê na barriga.
Quando ela entra de férias faz uma falta danada e sempre briga com meu pai quando ele compra azeite vagabundo e sabão em pó de promoção.
Se eu pudesse mostraria esse post pra Joana, mas os computadores não são amigos dela.
E ela também não parece gostar muito deles. Quando ela resolve mudar os móveis de lugar, sempre desliga todos os cabos e fios e na hora de religar, já viu, ela conecta tudo errado e o computador nunca funciona.
Já perdemos um teclado inteiro porque ela resolveu deixá-lo de molho na água sanitária, pra desencardir.
A Joana é mesmo uma figura.
Sem ela, aquela nossa casa não seria tudo que é!

QUERIDO DIÁRIO

Hoje eu acordei às 7:00.
Antes disso eu sonhei que não tinha acabado o terceiro ano. Esse sonho é recorrente, direto eu sonho isso, traumas que o colégio militar me deixou.
Sonhei com a ex-namorada do Namorado, também. Juro. E eu nunca vi a menina mais gorda. Não que eu saiba, pelo menos. Mas tenho que dizer que ultimamente nem se ela me ligasse pra gente combinar de se encontrar daria tão certo de irmos exatamente pros mesmos lugares.
O mais interessante é as minhas amigas me olharem com aquela cara de “a ex-namorada do seu Namorado está aí e eu juro que estou tentando disfarçar pra você não esquentar a cabeça, mas sou péssima pra disfarçar coisas dessas”. Ai, ai, minhas amigas me divertem!
Pois então. Na verdade o despertador tocou às 6:30 e eu pensei que deveria ir pra academia, porque estou pagando uma nota e ainda não tinha me dignado a dar às caras na sala de tortura coletiva. Depois pensei na friaca que faz no fim de mundo que eu moro. Depois pensei no quanto Namorado me chama de preguiçosa, desligada, desleixada e preguiçosa de novo.
Então levantei.
Me olhei no espelho e pensei que não devo mesmo estar batendo bem das idéias, pra acordar aquela hora e ir sentir dores horrorosas nos músculos das costas e abdômen. Eu sou uma retardada mental! Mas estou gorda e como quanto ao mental não posso fazer nada, fui sofrer pra emagrecer o físico.
Enquanto malhava e suava e suava e suava e ficava de língua de fora, fiquei pensando que uma das situações mais humilhantes que um ser humano da sociedade moderna pode passar é ter que malhar glúteo e posterior da coxa numa sala lotada de mulheres que ficam lá, vergonhosamente posicionadas com a bunda pra cima, fazendo careta.

Tá bom, é verdade, ir no ginecologista também é bem humilhante, mas esse é outro assunto…

%d blogueiros gostam disto: