TEM COISAS QUE SÓ ACONTECEM COMIGO

por Kritz

Na quinta-feira, Namorado não pôde se deslocar pra almoçar comigo, então tive que ir atrás dele, afinal de contas não posso deixar ele largado por ai né, o mercado de homens anda meio inflacionado e um namorado como ele não se encontra em qualquer esquina. (tudo em negrito ele me obrigou a escrever. E a colocar em negrito.)
Desci 752 degraus andei uns 752 km pra chegar até meu carro, liguei o som ouvindo Bruno e Marrone amarradona e andando bem devagar, porque quem ouve Bruno e Marrone meio-dia não tem como correr né, vâmo combiná.
Foi quando de repente e não mais que de repente um animal resolve colar na minha traseira. Na minha não, na do meu corsa porpurinado. Enfim, você entendeu.
Não dei muita idéia porque ao fundo tocava “seu guarda seja meu amigo, me bata, me prenda, faça tudo comigo…” o que me impediu de enxergar a tempo um carro quebrado na minha frente, bem naquele trânsito infernal do sol a pino.
Num momento raríssimo de reflexo, desviei do carro. Eu desviei, mas o animal que estava colado na minha traseira tentando ler meu adesivo de pára-choque com os dizeres “se você está conseguindo ler isso é porque está perto demais”, não desviou e bateu no carro. Um carro, obviamente e como não poderia deixar de ser, dirigido por uma garota.
Na verdade não era carro, era um fiat, o que explica ele estar quebrado bem ali no meio da W3.
E foi daí que brotou toda a confusão, porque a tal da menina meteu o nariz no volante, que sangrava muito. (tanto o nariz, quanto o volante, necessariamente nesta ordem.)
Eu, essa que vos falo, que não consigo ver sangue mas também não consigo ver gente chorando, então parei, claro, porque sempre me meto onde não fui chamada.

Eu: Tá tudo bem?
Nariz sangrando com uma pessoa ao fundo: Sim, tudo bem. *chuif, chuif*, estou chamando o seguro, *chuif, chuif*.

Desce o Animal que estava tentando ler meu adesivo do pára-choque:

Animal: A culpa é toda sua!
Eu: Sua mãe vai bem? (o que está em itálico são pensamentos malignos e vis, voltados para sentimentos de vingança e vontade de quebrar a cara de gente babaca que atravessa o meu caminho.)
Animal: Quem mandou você desviar de repente? Tenho certeza que você comprou sua carteira!

Pára tudo.
Tenho uma carteira muito chique pra aparecer um energúmeno qualquer e falar uma asneira dessas! Fui obrigada pelas forças das circunstâncias a bater no cara, como uma boa garota que nunca se esqueceu dos golpes básicos de muai tai. (é como andar de bicicleta ou fazer sexo: uma vez aprendido, jamais esquecido.)
Claro que se formou um furdunço do tamanho do maracanã, com direito a platéia digna de estádio lotado.
Passada a confusão:

Aninal: Afinal o que é que estava escrito naquele seu adesivo do pára-choque?
Eu: ¬¬

Anúncios