Tá Pensando o Quê?

Mês: março, 2006

EXPLICO TUDO, QUE MANIA CHATA ESSA MINHA

Depois de não ter caído no dia da minha colação de grau, eu quase pedi demissão do meu emprego.
É que de vez em quando meu lado hippie grita dentro do meu ser e eu me lembro do sonho de morar na Chapada, plantar maconha e assistir cogumelos do mau brotarem da bosta da vaca enquanto faço bijouteria pra vender pros turistas.
Uma vida bucólica, barata e, obviamente, pobre.
Na seqüência, me lembro do meu carro novinho e das prestações altíssimas que terei de pagar, além da depilação quinzenal, manicure semanal, perfumes importados e roupas que compro sempre que fico deprimida, meu Cruzeiro pela costa da América do Sul e o banho de loja que estou me prometendo desde que o Lula assumiu o governo.
Não há Chapada que me comporte, se é que você me entende.
Então ajoelho e peço perdão ao grande pai Capitalismo pelas minhas idéias hereges e sigo trabalhando pra ganhar meu salário e garantir meu emprego escravizador e maquinicista pelos próximos 50 anos, que é o tempo que falta pra eu me aposentar.
Se é que estarei viva até lá.

Anúncios

ENTÃO VÂMO LÁ

Carnaval bombou.
Eu não tomei um gole de cerveja sequer e meus amigos ficaram me olhando com cara desconfiada. Nada que 700 ml de vodka na (minha) veia fizessem eles verem que, sim, eu sou a mesma Kriscia de sempre: ainda danço músicas baixaria e canto axé music de olho fechado, saca? Sou única, sempre disse.
Na praia rolou boné e óculos filtro solar FPS 30, todas aquelas coisas que te fazem ver que você está realmente velha e não pode mais ficar naquela versão carvão de 10 anos atrás.
A burrice permanece: ganhei uma mancha de queimadura bem na barriga, por causa do limão da caipirinha no sol. Sou um tatu, eu sei. Mas como a barriga é algo que eu nunca mais mostrarei na vida, o caso não é lá tão grave.
Ganhei 4 quilos em uma semana de tanto tomar batida de pêssego e sorvete de chandelle porque, ai, ai, sorvete é vida.
O bicho-geográfico que eu tanto desejei veio com tudo, meu filho. Bem na virilha, uma beleza. Fiquei com o interior da coxa grosso, tipo a pele do Fred Gruguer, tenham nojo porque foi feia, a coisa.
Namorado pegou de mim, claro, por uma questão de custo-benefício, se é que você me entende. O resto da casa nos isolou no andar superior e puxávamos o balde de comida pela janela.
Mentira! Ele e eu nem lembrávamos de comer. Comida, eu digo.
Enfim, todos torcendo pro meu pai nunca ler meu blog. Obrigada.
Na volta o carro quebrou, porque nem nas férias Murphy me dá folga. Tive que dormir num sofá de posto de gasolina e permaneci lá por 24hs. Coisa trash total, bem mendiga, como só eu sei ser.
A parte boa é que, mesmo convivendo 24h por dia durante 10 dias sem sair de cima, nenhum dos meus amigos se mataram mutuamente.
Mas chegaram perto.

OK, PEOPLE

Depois de EXATAS 48h dentro de um carro que deveria ter voltado pra Brasília em 18h, adivinhem a primeira coisa que eu fiz quando entrei no meu doce lar?
Acertou quem disse acessou o MSN.

Vício dos infernos.
É lamentável.

%d blogueiros gostam disto: