DIÁRIO SECRETO

por Kritz

Então, Brasil, eu agora tenho diário de novo.
Toda essa minha agonia com esse vício de escrever começou quando eu tinha uns treze anos e escrevi uma carta de adeus, daquelas que as pessoas escrevem antes de se suicidar.
Minha mãe, que é mexeriqueira.com.br achou a bagaça da carta e depois disso ficou vigiando minhas agendas da hellokit e todas as anotações idiotas que eu fazia nelas, como por exemplo os resultados de todos (eu disse TODOS) os jogos do campeonato brasileiro.
E olha que a carta era só um exercício pra aula de redação, que eu nunca fui besta de pensar em me suicidar e vagar forever no umbral das almas penadas. Mas é lógico que ela nunca acreditou e me encaminhou pra SOE do colégio, um lugar onde havia um bando de psicólogo idiota que me fez criar um puta preconceito contra os estudantes e praticantes de qualquer coisa que se pareça com psicologia.
Então eu precisei começar a escrever escondido, pra mexerica sossegar.
Isso até os 17 anos, quando eu tentei me suicidar tomando vitamina de manga sem pensar, por um segundo sequer, no sofrimento que seria vagar no umbral de almas penadas.
Quando isso aconteceu eu entendi que a minha vida tava tão complicada que eu parei de escrever. Se viver tudo aquilo já tava sendo foda, porque diabos eu ia insistir em registrar tanta coisa ruim?
Então eu juntei todos os meus diários e taquei fogo. Sim. Queimei tudo, porque eu adoro esse negócio do ritual da coisa finda, tá ligado? Adoro.
E aproveitei pra podar também aquele pé de manga do quintal, já que eu não conseguiria matar todas as vacas viventes do universo naquela ocasião e não queria correr o risco de tentar me matar de novo.
Pois bem.
Leite com manga não mata ninguém, veja só você.
Meu diário tá lá, tem umas duas semanas de vida e as páginas estão quase todas preenchidas. Mas ontem eu cometi o erro da minha vida: enchi mais umas duas ou três páginas com coisas que vão desde minha cunhada segue me odiando a já perdi 3 quilos com a dieta que copiei da Marie Claire.
Detalhe: Namorado me olhava atento, fingindo, claro, que assistia Páginas da Vida, aquela novela que ele diz odiar mas não perde um capítulo.

Você escreve todo dia?
O que você tá escrevendo aí?
Tem algo que eu não possa ler?

*medo*

Agora ele sabe que eu tenho um diário.
Que não tava escondido mas que, algo me diz, deverá ficar daqui pra frente.
Já pensou?
Eu saio com o povo do trabalho pra um happy hour e depois de umas caipirinhas acordo pra vida e solto

– Preciso ir, gente!

– Ah, não, tá cedo!..

[em pensamento] ? caralhos secretos, preciso ir agora porque meu diário está sozinho em casa com Namorado e não, isso não é seguro [/em pensamento]

– Pois é, mas o tempo tá fechando e eu acho que deixei as janelas de casa abertas. (porque eu sempre fui péssima pra inventar desculpa)

Tão entendendo o drama da coisa?

As mexericas me perseguem, votecontá.

Anúncios