Tá Pensando o Quê?

Mês: março, 2007

É TUDO MUITO NOVO PRA MIM

Eu tenho 26 anos sempre vividos em casa.
Nunca morei em apartamento na minha vida.
Quer dizer, nos últimos meses, como ninguém sabe porque eu nunca disse que moro em apartamento, eu me mudei pra um com Namorado Noivo.
E votecontá que esse povo que mora em apartamento faz parte de uma comunidade planetária muito esquisitinha.
Primeiro que todo mundo se comunica por papéis no elevador. Um dia alguém gruda um papel com coisas escritas sobre a reunião de condomínio, (um capitulo a parte, as reuniões de condomínio) e já no dia seguinte tá tudo escrito por cima, com observações, dúvidas, protestos e claro, sempre tem uma alma suína pra escrever caralho, vai tomar no cu, a singeleza em forma de palavras, correio elegante dos tempos modernos.
Eu pra falar a verdade não ligo muito porque o elevador tem espelho com aquela luz branca que mostra rugas e eu fico entretida vendo onde passar mais ácido retinóico mas, dia desses, no entanto, para minha estupefação total, entrei no elevador e uma criatura advinda das profudenzas da feladaputice com desarranjo intestinal tinha peidado noelevador e mandado o cujo dito pro meu andar.
Vazio.
Assim, um elevador, um peido solto lá dentro e eu, ficando verde.

O mesmo vizinho fofo que desenha picas no aviso de assembléia.
Certeza.

Anúncios

EU ENTENDO AS LÉSBICAS

97h e meia.
Exatas 97h e meia que eu cortei o cabelo.
Namorado teve todo esse tempo pra reparar.
E não reparou.
Nem um “seu cabelo tá estranho” foi mencionado.

É lamentável.

RETOMADA

Semana passada estive dias e dias sonolenta, cansada, absorta e chata porque ficava acordada até tarde estudando. Mulheres modernas estudam. E acordava no outro dia às 6h da matina pra malhar. Mulheres modernas buscam e mantêm a forma física.
E quando chegava da academia meu sonho dourado cravejado de brilhantes era deitar por uns 15 minutinhos que fossem, só pra ouvir o pensamento do dia da Ana Maria Braga, mas que nada, eu tava atrasada pro trabalho! Mulheres modernas trabalham. E quando eu chegava do trabalho tava a casa naquela santa-zona que só quem sai de casa com pressa sabe como é, e é aquela zona que se eu não arrumasse logo acabaria se multiplicando absurdamente, coisas que só a teoria da geração espontânea conseguem explicar. E depois de arrumar algumas coisas, porque mulheres modernas também mantêm a casa em ordem, e embora estivesse deveras cansada e sonolenta , tinha que estudar porque mulheres modernas estudam, se especializam, garantem lugar no mercado de trabalho, são fodas, tem o anel do poder, destróem o chefão.
Lá pelo 5º dia eu obviamente não estava me suportando, então eu abracei um amigo e chorei.
Chorei.
Chorei mais um pouco.
Tudo se resolveu na hora, e o meu anel do poder brilhou.
Foi quando eu olhei pro lado e vi uma colega de trabalho chorando porque, por ser uma mulher moderna, ela trabalhava, estudava, malhava, arrumava a casa, pagava as contas e por causa de tudo isso não estava conseguindo cuidar da filhinha como ela acha que uma mulher moderna deveria conseguir.

Toda vez que eu disser que quero um filho antes de poder largar o trabalho, alguém me dê um safanão bem forte.
Sem mais.

DE VOLTA À SALA DE AULA

Eu sei.
Prometi nunca mais chegar perto de nada que parecesse com professor, provas e colegas de turma pelo resto desta minha vida.
Mas depois de 1 ano longe eu não resisti e estou de volta. O curso é à distância e por isso todo mundo tem um lugarzinho pra colocar foto, escrever sobre si, mandar mensagens pros coleguinhas e cometer erros de português que não são aceitáveis pra quem completou ao menos o telecurso 1º grau.

Então, fuçando nos perfis pra ver quem será um bom nerd par para a monografia final, encontrei isso:

Meu nome é nonononon e sou pós-graduando no curso xxxx.

Juuuuuuuura?
E eu que achei que você estivesse aqui porque confundiu o ambiente do curso com o orkut!
¬¬

FELIZ ANO NOVO!

Pois bem, Brasil. Acabou-se carnaval e agora a vida dieta segue.
Tou com uns planos treta na mente. O mais mirabolante é me dar uma tatuagem quando eu perder eliminar os quilos que me sobram.

*pensa*

Toda vez que falo disso me lembro de uma busca que fiz no google, algo tipo estou obesa + quero morrer.
O resultado foi trash e, desde então, eu me mantenho o mais distante possível de pizzarias a rodízio quando fico triste, se é que você me entende.

*pensa*

Todos rezando pra isso aqui não virar um blog-diário-de-freqüentadora-do-vigilantes-do-peso-precisando-perder-30-quilos.
Amém.

SENTI FALTA DA MINHA VIDA REAL

Eu de vez em quando ressignifico as coisas e as pessoas na minha vida, é como uma espécie de formatação da minha mente e do meu peito. E nessas férias, com aquela chuva toda e eu sem ter como sair de casa, fiquei ali pensando e redefinindo o lugar de certas coisas e seres na minha existência, já que não levei nem um caderno, caneta ou livro, tonta que sou.
A verdade é que já no segundo dia eu estava com saudade da minha casa e dos meus amigos. MEUS AMIGOS que a vida meu deu.
A parte boa é que consegui manter o peso apesar de toda a cervejada-tentação que me rodeava e até que peguei uma corzinha.
Passei no processo seletivo para pós-graduação da Unb. Pós-graduação à distância porque esse negócio de ir pra escola, vocês sabem, não é comigo.
Por isso agora lá em casa terá internet e eu poderei conversar com meus amigos de MSN, olhar fotologs de geral e voltar pro orkut estudar 2h por dia sagradamente, disciplinada que sou.
Foi engraçada aquela sensação tensa de ver/não ver meu nome na lista, não me acostumo com o medo de perder.
Estou bem eufórica, juro!
Enfim.
Eu voltei.

%d blogueiros gostam disto: